28 de julho de 2021

Motovelocidade acelera no Brasil com mais pilotos e rodada dupla

Temporada 2021 do Brasileiro e da SuperBike já deu a largada ainda sem público, mas com transmissão online e em tevê aberta

A temporada 2021 de motovelocidade no Brasil já voltou a acelerar nas duas principais categorias: o Campeonato Brasileiro de Motovelocidade (CBM) e a SuperBike Brasil (SBB). E com rodada dupla e mais pilotos no grid.

As provas ainda continuam disputadas com portões fechados, sem a presença do público, seguindo as restrições sanitárias devido à pandemia, mas podem ser acompanhadas na TV aberta e em canais do YouTube (leia mais abaixo). A SuperBike foi a primeira a estrear, no Autódromo de Interlagos, em São Paulo, no fim de maio. A pista paulista também recebeu a segunda etapa em junho e vai ser palco da terceira, no próximo dia 25 de julho, e da quarta, em 22 de agosto.

Etapas restantes:

5ª etapa: Goiânia (GO) – 26 de setembro.
6ª etapa: Curitiba (PR) – 31 de outubro.
7ª etapa: Potenza (MG) – 28 de novembro.
8ª etapa: São Paulo – 12 de dezembro.

Interlagos (SP) receberá cinco das oito etapas da temporada 2021.

Formação de novos pilotos

Neste ano, a SBB teve um aumento do número de competidores, que passou de 115 para 150 participantes, com foco maior na formação de novos pilotos.

Segundo Bruno Corano, idealizador da SBB, a ênfase é nas categorias de base, principalmente na Junior Cup, com a preocupação de formar as próximas gerações de pilotos.

As categorias também passaram por mudanças, sendo distribuídas em oito divisões. Destacam-se: a SBK Pro, considerada a elite da motovelocidade no Brasil; a SBK Light, formada por participantes experientes e com tempos próximos aos da principal; e a SuperSport 600cc, voltada a iniciantes, em seu primeiro ano na modalidade.

Confira, a seguir, as principais divisões da SuperBike Brasil 2021:

SBK PRO: concentra as equipes de fábrica e os maiores investimentos por ser uma categoria profissional e responsável pelas ultrapassagens mais emocionantes, a mais de 300 km/h.

No grid estão Honda CBR 1000RR, como a do atual líder da temporada, o gaúcho Pedro Sampaio; Kawasaki Ninja ZX10R, do vice, o paranaense Mauriti Junior, além da BMW S1000RR.

A classificação completa está no site da SBB.

SBK Light: formada por pilotos experientes, é o principal degrau de evolução da categoria principal. Há ainda a participação de representantes da EVO e da Master, com mais de 40 anos.

SuperSport 600cc: engloba também pilotos em seu primeiro ano na motovelocidade.

Copa Pro Honda CBR 650R: classe monomarca, na qual todos os competidores usam a esportiva de média cilindrada da Honda.

Ninja 400 Cup Pro: também monomarca, com apenas o modelo da Kawasaki na pista.

SuperBike Escola: pilotos sem experiência em competições ou que não possuem índice de tempo para andar na Light.

Honda Junior Cup: a categoria-escola para pilotos de 8 a 16 anos, que tem como objetivo de revelar os novos talentos da motovelocidade brasileira.

As corridas têm transmissão pelos canais do YouTube da SuperBike Brasil e da TV Cultura, e na RedeTV! (tevê aberta).

Brasileiro de Motovelocidade com rodada dupla

Disputas do Brasileiro 2021 envolve quase 150 pilotos.

O Campeonato Brasileiro de Motovelocidade deu a largada no início de junho em Curvelo (MG). E trouxe uma novidade: o sistema de rodada dupla no fim de semana, que será adotado em toda a temporada.

São mais de 140 velocistas divididos nas categorias SuperBike, 600cc SuperSport/Light, 300cc SuperSport e R3 Cup/Talent e classe monomarca Yamaha.

Segundo a organização, as categorias de formação, como a 300cc e a R3 Cup, foram as mais procuradas na hora da inscrição para 2021. Isso significa que muitas revelações devem aparecer ao longo das disputas.

Goiânia recebeu a segunda etapa, no fim do mês passado, e será palco para a próxima no começo de agosto – a prova estava prevista anteriormente para o circuito de Santa Cruz do Sul (RS), que ainda passa por melhorias.

Etapas restantes:

3ª etapa: Goiânia – 1º de agosto.
4ª etapa: Curvelo (MG) – 31 de outubro.
5ª etapa: Goiânia (GO) – 28 de novembro.

Para Gustavo Jacob, diretor da modalidade CBM, apesar da pandemia, o campeonato está sendo de alto nível e feito com muita superação.

O capixaba e atual campeão Rodrigo Calmon Dazzi lidera na categoria principal – a SuperBike Pro – com a sua BMW S1000RR, seguido pelo carioca Pedro Barata Lins e a sua Suzuki SRAD1000FF.

Confira a classificação completa no site da Confederação Brasileira de Motociclismo (CBM). As provas são transmitidas ao vivo pelo canal oficial de YouTube do CBM. Veja também a história de Calistrat Coluciuc Neto ou, simplesmente, Cale – Chefe da equipe de motocross da Honda Racing Brasil.

As fotos nesta página são Divulgação/Sampa Fotos e Divulgação/CBM.

0 Comentários

Deixe o seu comentário!